BEM VINDOS - Conheça as Postagens Recentes

terça-feira, março 27, 2012

Como Funciona o Sistema do Hábito Consumista

   É impressionante ver no que a classe dominante do mundo conseguiu nos transformar, através de diversos métodos eles conseguem criar e satisfazer os desejos e impulsos do consumo nos indivíduos e assim eles desviam nossas atenções e nossos interesses para coisas fúteis e egoístas, manipulam e domesticam o império das massas populares mantendo-as num estado de letargia e falsa felicidade, parece ficção mas é realidade. Você mesmo pode ver que somos estimulados pelas novidades da moda, tendências, eletrônicos, entretenimentos, etc. Afinal, nenhum de nós quer parecer antiquado e ultrapassado, somos obrigados a nos adaptar.

   A extração é a primeira etapa disso tudo aonde são cortado as árvores e arrebentado as montanhas para extrais os metais, danificando a água e exterminado os animais. Você acha que você é dono dos recursos naturais de sua nação, por exemplo a Amazonas? Não, o governo negocia e autoriza que outras nações façam demasiadamente essas extrações, e o que você ganha com isso? Você fica sem alternativas é obrigado a migrar, pois sem recursos você não consegue viver, você terá que se deslocar fora de seu ambiente e ir para grandes cidade e buscar um emprego. Você sai do seu sistema natural e é forçado servir de mão de obra do sistema.

   Após a extração das matérias primas é preciso processá-las para elaboração dos produtos, na produção se utiliza energia para misturar químicos tóxicos com os recursos naturais e assim obter o produto final, certo! Grande é a poluição nessa etapa e também a variedade de químicos sintéticos utilizada nessa etapa, e seu uso é muito perigoso para o impacto da saúde da população em geral, sem falar dos trabalhadores desse setor que sofrem com o contato diário com esses químicos em fábricas. Muito dos países mudam as fábricas poluidoras para o estrangeiro assim poluem outros países.

   No final desse processo vem logo a distribuição, é aonde todo esse “lixo contaminado” com toxinas é vendido o mais rápido o possível para isso eles mantém os preços baixos para haver constante movimento de mercado. É interessante ver como conseguem vender os produtos com preços que parecem não valorizar os esforços das etapas de extração, produção e transporte. O exemplo que é usado sempre nesse caso é que um rádinho á pilha com custo de cinco reais não reflete seus reais custos operacionais, talvez seu metal possa ter sido extraído da China ou do Brasil mesmo, petróleo provavelmente do Iraque, o plástico da China e a montagem talvez por uma criança de 15 anos da China também. Quem paga tudo isso, para que esse custo seja baixo é nós mesmos, nós sustentamos e apoiamos o sistema em todas suas etapas.

   Amigos, nós estamos no mundo dos consumidores, nosso valor é avaliado pelo quanto contribuímos para esse sistema, quanto mais temos poder aquisitivo para comprar mais estamos dentro da legalidade da sociedade que os dominantes querem. A meta e principal objetivo dele é manter os produtos circulando, você comprando e isso não aconteceu do nada foi tudo planejado é só olhar a história, aqui no Blog temos uma postagem que mostra um pouco como surgiu essa idéia chama-se “Controlando a Mente da Massa” Isso foi introduzido após a 2ª guerra mundial onde foi estudado uma forma de impulsionar a economia. Uma das idéias quem teve foi Edward Bernays que disse “A nossa enorme economia produtiva exige que façamos do consumo nossa forma de vida, que tornemos a compra e uso de bens em rituais, que procuremos a nossa satisfação espiritual, a satisfação do nosso ego, no consumo. Precisamos que as coisas sejam consumidas, destruídas, substituídas e descartadas a um ritmo cada vez maior" E então foi aonde começou, e a produção de bens de consumo passou a ser um dos principais objetivos das classes dominantes.

   A idéia foi tomando forma e começaram a criar produtos feitos de modo que sejam inúteis tão rápidos o possível para serem descartados rapidamente, e para ajudar introduziram designes evolutivos que eram mudados a cada época, fazendo com que todos saibam se você tem um produto antigo ou novo. Um exemplo é seu próprio computador, ele tem um processador, e se você for trocar esse processador que é o equipamento no computador que mais evolui, ele não se encaixa na sua placa mãe antiga, isso faz com que você tenha que trocar quase todas as peças para se atualizar, por causa somente de seu processador que evoluiu, sabendo que esse tipo de tecnologia evolui muito rápido.

   A mídia tem um envolvimento muito importante nesse processo todo, o papel dela é mostrar que você está desatualizado com a evolução da modernidade, moda, tecnologia, tendência e entretenimento. Mostra que seu celular, seus eletrônicos, seu carro e suas roupas já estão ultrapassados e tudo se resolve se você for ás compras, sempre com produtos facilidade de compra. Além disso a mídia ajuda a esconder todo o processo desse sistema, a extração a produção e envio para o lixo acontecem fora de nosso alcance de visão, mostra que está tudo certo, não tem nada errado, e se está errado a culpa é sempre sua.

   Pesquisas mostram que a felicidade das pessoas tem se declinado cada vez mais, e o pico de felicidade foi nas décadas de 50 justamente na época em que a febre consumista estava começando a existir. Isso tem acontecido claramente porque temos mais coisas, porém menos tempo para fazer o que realmente nos fazem felizes, amigos, família e tempo livre. 


   Estamos trabalhando cada vez mais ficando assim cada vez mais ocupados e com menos tempo, e o tempo que sobra usamos para assistir televisão e fazer compras, admite?! E nesse processo de trabalhar, assistir televisão e fazer compras nos mostra o quanto estamos alienados, se continuarmos assim teremos que ter dois empregos para manter tudo isso.

   Com todo esse consumo o que resta é o lixo, pesquisas mostram que quase tudo que compramos vira lixo antes de completar seis meses, pois nossas casas não tem espaço para tanta novidade de produto, e para onde vai todo esse lixo? Aterro ou incineração, o que produz a substância mais tóxica que o homem criou, a dioxina. Muitos falam em alternativas para parar com todo esse processo, e a tempos que existe a reciclagem, porém ela tem mostrado não ter se encaixado muito bem na sociedade, tem se mostrado não se suficiente bastante.

   Como podemos ver esse sistema foi criado de propósito pelo homem, foi uma solução para a impulsionar a economia, porém é um sistema em crise do clima ao decréscimo da felicidade. Dentre algumas soluções que surgem a sustentabilidade em todas etapas é uma delas. 

WJorge.

   Deixo em aberto para opinião dos leitores, quem sabe surge um pensamento novo. Vamos agora mostrar um vídeo que de maneira geral mostra como parte desse sistema funciona. Esse vídeo inspirou quase todo assunto e texto aqui no Blog.

segunda-feira, março 26, 2012

Nós Somos Acomodados e Conformados


   Diante de tanta informação que a internet absorve a cada dia, consegui achar uma poesia realmente interessante para expressar o que o homem vive na realidade do que o mundo tornou através dos interesses de manter o impulso econômico. É expressado nessa poesia a acomodação do homem dominado, que a cada dia vem se acostumando com as situações oferecidas e até mesmo obrigadas para desviar nossas atenções e nossos interesses para coisas fúteis e egoístas. Desculpa á autora, mas a minha interpretação de tudo isso que foi transmitido no texto foi essa, e me foi muito claro, servindo para esse oportuno momento mostrar que esse pensamento sobre esse sistema não é algo anormal mas tão normal quanto imagina uma pessoa alienada pelo próprio, pode ser que a verdadeira essência não seja essa, mas aproveitei dessa forma. Vamos acompanhar a poesia de Marina Colasanti.


Eu sei, mas não devia

  A gente se acostuma a morar em apartamentos de fundos e a não ter outra vista que não as janelas ao redor. E, porque não tem vista, logo se acostuma a não olhar para fora. E, porque não olha para fora, logo se acostuma a não abrir de todo as cortinas. E, porque não abre as cortinas, logo se acostuma a acender mais cedo a luz. E, à medida que se acostuma, esquece o sol, esquece o ar, esquece a amplidão.

   A gente se acostuma a acordar de manhã sobressaltado porque está na hora. A tomar o café correndo porque está atrasado. A ler o jornal no ônibus porque não pode perder o tempo da viagem. A comer sanduíche porque não dá para almoçar. A sair do trabalho porque já é noite. A cochilar no ônibus porque está cansado. A deitar cedo e dormir pesado sem ter vivido o dia.

   A gente se acostuma a abrir o jornal e a ler sobre a guerra. E, aceitando a guerra, aceita os mortos e que haja números para os mortos. E, aceitando os números, aceita não acreditar nas negociações de paz. E, não acreditando nas negociações de paz, aceita ler todo dia da guerra, dos números, da longa duração.
   

   A gente se acostuma a esperar o dia inteiro e ouvir no telefone: hoje não posso ir. A sorrir para as pessoas sem receber um sorriso de volta. A ser ignorado quando precisava tanto ser visto.

   A gente se acostuma a pagar por tudo o que deseja e o de que necessita. E a lutar para ganhar o dinheiro com que pagar. E a ganhar menos do que precisa. E a fazer fila para pagar. E a pagar mais do que as coisas valem. E a saber que cada vez pagar mais. E a procurar mais trabalho, para ganhar mais dinheiro, para ter com que pagar nas filas em que se cobra.

   A gente se acostuma a andar na rua e ver cartazes. A abrir as revistas e ver anúncios. A ligar a televisão e assistir a comerciais. A ir ao cinema e engolir publicidade. A ser instigado, conduzido, desnorteado, lançado na infindável catarata dos produtos.

   A gente se acostuma à poluição. Às salas fechadas de ar condicionado e cheiro de cigarro. À luz artificial de ligeiro tremor. Ao choque que os olhos levam na luz natural. Às bactérias da água potável. À contaminação da água do mar. À lenta morte dos rios. Se acostuma a não ouvir passarinho, a não ter galo de madrugada, a temer a hidrofobia dos cães, a não colher fruta no pé, a não ter sequer uma planta.

   A gente se acostuma a coisas demais, para não sofrer. Em doses pequenas, tentando não perceber, vai afastando uma dor aqui, um ressentimento ali, uma revolta acolá. Se o cinema está cheio, a gente senta na primeira fila e torce um pouco o pescoço. Se a praia está contaminada, a gente molha só os pés e sua no resto do corpo. Se o trabalho está duro, a gente se consola pensando no fim de semana. E se no fim de semana não há muito o que fazer a gente vai dormir cedo e ainda fica satisfeito porque tem sempre sono atrasado.

   A gente se acostuma para não se ralar na aspereza, para preservar a pele. Se acostuma para evitar feridas, sangramentos, para esquivar-se de faca e baioneta, para poupar o peito.

   A gente se acostuma para poupar a vida. Que aos poucos se gasta, e que, gasta de tanto acostumar, se perde de si mesma.



Autora: Marina Colasanti



   Engraçado né, não sei se vocês notaram algo, mas a versão original dessa poesia não foi mantida nesse vídeo que é um conteúdo de propriedade da Fundação Padre Anchieta (TV Cultura) e que foi recitado pelo Antônio Abujamra no Provocações, porque será que foi deixado de lado além de algumas palavras a 3ª e a 6ª estrofe? vamos observar ao que essas estrofes se referem, segue abaixo:

3ª estrofe: "A gente se acostuma a abrir o jornal e a ler sobre a guerra. E, aceitando a guerra, aceita os mortos e que haja números para os mortos. E, aceitando os números, aceita não acreditar nas negociações de paz. E, não acreditando nas negociações de paz, aceita ler todo dia da guerra, dos números, da longa duração."


6ª estrofe: "A gente se acostuma a andar na rua e ver cartazes. A abrir as revistas e ver anúncios. A ligar a televisão e assistir a comerciais. A ir ao cinema e engolir publicidade. A ser instigado, conduzido, desnorteado, lançado na infindável catarata dos produtos."


   Bom essa poesia pode ter mostrado o quanto os olhos abertos da autora estavam naquele momento sobre os fatos dentro dessa sociedade em que vivemos nessa era, o que resta saber é porque até uma obra dessa é alterada para ser aproveitada e mostrar uma visão que seja um "pouco" diferente, porém que tira a verdadeira essência do que deveria ser mostrado, fica aqui minha dúvida aberta para opinarem.

quinta-feira, março 22, 2012

Muitas Coisas Fora do Seu Alcance

   É interessante ver o quanto o homem pode ter alcançado tecnologias surpreendentes, mas que por questões quem sabe comerciais, militares ou até mesmo conspiracionais tem se ocultado ou não estão disponíveis para a sociedade em geral. Por que isso tem acontecido? Para tentar descobrir o que acontece em geral á respeito desse assunto que abrange um leque de questões não explicadas, basta fazermos ligação entre diversos assuntos, por exemplo, darmos uma boa olhada na história pois ela mesmo pode muito nos ajudar á entender o presente. Isso se for possível, pois infelizmente até mesmo essas histórias se perdem entre factóides e realidade, o que é verdade e o que é manipulado.  
   Vamos começar então olhando o que temos disponível de informação, você já deve ter ouvido falar de carros movidos a água, sim eles existe á décadas e trata-se do carro á hidrogênio, para seu funcionamento ele quebra a molécula de H2O usando um elemento químico chamado boro para separar o H(hidrogênio) do O(oxigênio) e assim aproveita o hidrogênio para o funcionamento do motor. Dizem que é só colocar 45 litros de água que ele roda tanto quanto um carro comum com 40 litros de gasolina no tanque, e sem emitir poluentes.
   Talvez também você já tenha ouvido dizer sobre o pneu inovador da Michelin, não é um pneu comum pois ele não necessita de ar para rodar, ele é composto por raios de poliuretano que substituem a pressão do ar de um pneu convencional, o pneu todo se deforma temporariamente à medida que os raios dobram e depois voltam à forma inicial e a capacidade de resistência ao desgaste desses pneus é superior á capacidade de um pneu convencional.
   A questão é saber porque razão esses produtos não conseguem ser evoluídos a ponto de estarem disponíveis no mercado das massas populares "eu e você" será que tem algo que freia os últimos ajustes para esses produtos que parecem ser as respostas para a eficiência do uso dos materiais? a eficiência na economia dos matérias o que é muito benéfico também para a natureza. Será que isso danificaria a ampla estrutura preparada para o comércio convencional? Fabricantes, varejistas das peças e postos de serviços... Talvez todos esses setores seriam afetados. Ou seria a causa dessa interrupção na evolução na economia dos materiais pelo fato de que o petróleo da muito mais mercado se a necessidade de consumo dele for grande, enquanto outros materiais como a água não tem muito valor no mercado, um desajuste nesse meio poderia dar prejuízo aos cofres do estado, importações e exportações seriam afetados, países em alguns aspectos seriam mais auto suficientes em relação de matérias primas, e não necessitariam mais das grandes potências fornecedoras desses produtos, porque você já deve saber que se um pais fica auto suficiente a tendência da moeda dele é valorizar, ou seja, quanto mais você compra lá fora mais sua moeda desvaloriza, você precisa que comprem de você para você se valorizar. é simplesmente como a oferta da procura e da demanda.


   Uma vez um inventor dos campos da engenharia mecânica e eletrotécnica chamado Nicolas Tesla querendo construir uma antena transmissora de rádio para tentar fornecer eletricidade grátis para toda cidade de Manhattan já que não havia como cobrar por ondas emitidas, foi tentar pedir financiamento para JP Morgan um bancário investidor, que lhes disse algo assim: “Quer que eu lhe dê dinheiro para construir uma antena que fornecerá algo que beneficiará as pessoas e que eu não possa cobrar por isso ?” Tesla responde que sim e Morgan além de pedir para que ele nunca mais o procurasse colocou o nome de Tesla numa “lista negra” de maneira que nunca mais conseguisse um financiador para suas invenções, Tesla morreu em 1943, miserável e muitos acreditam que ele possa ter sido assassinado, porém sabemos que foi um dos maiores inventores de todos os tempos. 

    O que podemos aprender com isso? Que muita coisa gira em torno do pensamento capitalista, Thomaz Edison mesmo dizia: “Não invento nada que não posso vender” Olhando isso, nota-se a diferença entre visionários e capitalista. E outra coisa, olhe na história o quanto Tesla revolucionou o mundo com suas invenções na área elétrica, Thomaz Edison até o contratou para trabalhar com ele, quando Tesla cumpriu o pedido de T. Edison o mesmo o enganou não pagando-o, mas após passar por dificuldades por se demitir Tesla mostrou-se mais gênio tapando o sistema de distribuição de energia de toda cidade proposto por Edson daquela época chamada corrente contínua que usava fios super grossos e propondo o sistema de distribuição de corrente alternada que usamos até hoje.



   Infelizmente é assim que funciona o sistema, dizem que pesquisas são feitas, a ciência e a tecnologia são avançadas e coisas estão sendo criadas a cada dia para nosso benefício, mas será que é para nosso próprio benefício mesmo? O avanço está dando cada vez mais poder ao homem, e você conhece o homem? será que a ambição do homem pode chegar num ponto de passar por cima de valores éticos, morais e princípios sociais? Mas quem cria esses princípios sociais morais e éticos? você a mídia ou os senhores do mundo? eu só posso afirmar uma coisa, eu sei que a pessoa que cria esses valores, ela tem o avanço tecnológico á sua disposição, ela tem a mídia á sua disposição, ela tem o governo á sua disposição, e ela tem o poder de mudar esses valores da sociedade se utilizando dessas ferramentas.
   -ATENÇÃO - POSTAGEM EM FASE DE ELABORAÇÃO AINDA-